Notícias

Notícias

jul 28, 2021

Confiança do empresário industrial de PE apresenta alta em julho

Medido pela Federação das Indústrias do Estado de Pernambuco (FIEPE), o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) do Estado tem apresentado avanços nos últimos meses. A boa notícia é que o quadro se repetiu neste mês e o índice cresceu 4 pontos, chegando a 61,7 pontos. Isso quer dizer que, apesar da instabilidade atual por conta da pandemia, o otimismo se mantém devido à perspectiva de melhora do ambiente econômico nos próximos meses.

Segundo o economista da FIEPE, Cézar Andrade, embora a Covid-19 ainda assombre o mercado, sobretudo após o surgimento da variante Delta, o avanço da vacinação para o maior público possível tem trazido esperanças. “É tanto que o resultado deste mês se aproximou do patamar de antes da pandemia”, sinalizou Andrade. Em fevereiro de 2020, o ICEI estava em 62,30.

O levantamento da FIEPE mostra bem essa evolução. Em junho deste ano, o ICEI chegou a 57,7 pontos, enquanto que em julho de 2020 o índice estava em 52,7 pontos. Qualquer resultado acima dos 50 pontos indica que os empresários do setor estão animados com relação à economia, o que pode, de maneira geral, sugerir que investimentos poderão ser feitos e também que a mão de obra será necessária para manter os negócios.

De acordo com o detalhamento da pesquisa, o que tem elevado o ICEI é a boa expectativa dos empresários sobre os próximos meses. No mês em questão, o índice que avalia a perspectiva com relação ao futuro se elevou 4,1 pontos, atingindo 64,7. Em relação ao mesmo período do ano passado, o indicador registrou um aumento de 5,4 pontos percentuais.

Para se ter ideia, o índice de condições atuais teve um comportamento mais tímido se comparado ao que analisou o futuro. Nele, o recuo foi de 0,8 ponto, chegando a 50,3 na passagem de junho para julho. O índice reflete a percepção dos empresários pernambucanos quanto às condições atuais.

Além disso, o índice está 10,9 pontos acima do que foi apresentado no mesmo período do ano passado. Vale salientar que, em julho do 2020, as empresas estavam tentando se recuperar após o período de três meses de atividades paradas. No geral, apesar do decréscimo, a confiança em relação às condições correntes está acima da média histórica que é de 48,05 pontos.

compartilhe