Notícias

Notícias

maio 26, 2021

Hubs ODS e sua atuação para a estratégia 2030

Com o tema Hubs ODS e sua atuação para a estratégia 2030, o FIEPE Ambiental reuniu especialistas para debater o assunto na última terça-feira (25). O presidente do Conselho Temático de Meio Ambiente (Contema) da FIEPE, Anísio Coelho, fez a abertura do encontro virtual e ressaltou a importância da temática como um mecanismo para aumentar a atuação regional e gerar mais impacto nos objetivos de desenvolvimento sustentável por meio do engajamento de empresas e organizações.

“Esta é uma agenda que se tornou ainda mais necessária de ser discutida, sobretudo pelo momento em que vivemos. A implantação de uma agenda sustentável deve ser de conhecimento da sociedade em geral e também do poder público”, disse Coelho, fazendo menção ao Dia da Indústria, comemorado no dia 25 de maio, e à importância do setor industrial para a cadeia produtiva.

O superintendente do SESI/IEL Paraná e diretor regional do SENAI-PR, José Fares, falou sobre como vem tornando esses objetivos de desenvolvimento sustentável uma prática dentro das instituições, com elaboração de métricas para os eventos corporativos e por meio do debate dentro do Conselho Paranaense de Cidadania Empresarial. Por terem se tornado uma expertise, as iniciativas chegaram a ser apresentadas à ONU.

Para Leonel Leal Neto, coordenador Local de Projetos – PNUD, a agenda 2030 é importante, principalmente para as empresas, porque ela orienta o desenvolvimento sustentável com foco nos campos econômico, social e ambiental. Ele reiterou ainda sobre a necessidade da coleta de dados e do desenvolvimento de capacidades nos países-membros para a efetiva implementação e acompanhamento das metas dos ODS.

Já de acordo com Marcelo Linguitte, diretor de Operações, Projetos e Mobilização de Recursos na Rede Brasil do Pacto Global, a temática das ODS é muito ampla e vai desde os aspectos do combate à fome aos temas relacionados à corrupção. O que, segundo ele, tem sido um desafio para as pequenas e médias empresas, cujos clientes têm demandado patamares elevados de tratamento de questões ambientais e sociais. O segredo é entender como essas industrias podem trabalhar e transformar os desafios em oportunidades, apontou Linguitte.

compartilhe